Minha Biografia

Daniel Furtado Amaral, nasceu em 15 de Outubro de 1932 no Concelho da Povoação, Lomba do Cavaleiro, São Miguel Açores. Filho de João Francisco Amaral e de Adelina da Conceição Furtado Amaral (Já falecidos). Casado com Maria Teresa Mota Eugenia Amaral. Tem quatro filhos, todos nascidos nos Estados Unidos e na maioridade são: Daniel Eugénio Amaral, Robert Eugénio Amaral, Victor Eugénio Amaral e Edward Eugénio Amaral. Tem cinco Netinhos; Cory James Amaral , Michael Amaral,  Zachary Daniel Amaral, Cameron José Amaral,  Arianna Amaral,  Robert  Junior Amaral e Ethan Edward Amaral.

Morada em East Providence, Rhode Island. Emigrei para os Estados Unidos da América em 1957. Fui Empregado na Fábrica American Insulated Wire, como Supervisor (superintendente)  desde 1960 até 2000. Esta Companhia que pertence à Corporação Leviton, uma das maiores Corporações em condutores e artigos Eléctricos, nos Estados Unidos.

Sou uma pessoa muito activa na nossa Comunidade Portuguesa como animador em tudo que diz respeito à Cultura e Tradições Portuguesas. Estive envolvido em Folclore, por cerca de doze anos, como Vocalista do Rancho Folclórico "Ilha Verde" na Igreja de São Francisco Xavier, em East Providence, Rhode Island por sete anos.

Depois fui o Fundador do Rancho Folclórico Infantil "Estrela do Mar" e director por cerca de cinco Anos.

Tenho acompanhado sempre de perto os Festejos ou Comemorações do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas. Estou sempre envolvido em espectáculos, tais como: Cantigas ao Desafio e Peças de Teatro.

Fui Fundador dos Concursos de Quadras Populares e Poesias na Comunidade de R.I.

Sou membro e organizador do Grupo de Teatro " O Milénio" do Clube Juventude Lusitana, em Cumberland, Rhode Island. Sou membro da Casa dos Açores da Nova Inglaterra e também do Clube Holy Ghost Brotherhood, (Irmandade do Espírito Santo), em East Providence,  membro também da Bela Academia do Bacalhau da Nova Inglaterra e dos Knights of  Corte - Reais.

Foi na Lomba do Cavaleiro que vivi a minha Mocidade. A Juventude foi em Ponta Delgada.

Após terminar a Instrução Primária, fui empregado numa loja de fazendas, "Brilhante e Arruda", na Vila da Povoação que ficava mesmo em frente da Câmara, loja esta que pertencia aos meus professores. Com a idade de 14 Anos vim para Ponta Delgada, como Escriturário na Associação de Socorros Mútuos "União & Trabalho"Situada na Rua Marques da Praia.

Em 1953 entrei para o Batalhão de Infantaria No. 18 nos Arrifes. Fui Primeiro Cabo de Transmissões e Telegrafia.


     Dedicatória a toda a minha Família:

Dedico esta Publicação aos meus Queridos Filhos:

Daniel Eugénio Amaral, Robert Eugenio Amaral, Victor Eugenio  Amaral e Edward Eugénio Amaral porque eles sempre me incentivaram para que eu publicasse as minhas Poesias em livro.

É por isso que eu sinto grande desejo de ver seus nomes gravados neste meu livro, para que no futuro possam mostrar aos meus queridos netinhos o que eu pude fazer neste Mundo, sem possuir habilitações Literárias suficientes para tal.

Quero também deixar este escrito, como dedicação póstuma aos Meus Queridos Pais: João Francisco Amaral e Adelina Conceição Furtado Amaral, porque seriam eles que iriam sentir o maior orgulho em saber que seu filho Daniel, que eles tanto amavam, era autor dum livro de Poesias.

Dedico ainda aos meus nove Irmãos: Manuel da Costa Amaral, Maria Rosa Trovão, Joaquim Furtado Amaral e Lídia Furtado Amaral, (Estes quatro já falecidos). Ainda no classe dos vivos: Maria José Medeiros, Laudalina Alves, João F. Amaral, Carlos F. Amaral e Gustavo F. Amaral.

Aos meus Pais que foram Queridos

Junto quatro irmãos já  falecidos

E  seis  vivos,  vai  esta  Publicação...

Dedico também a meus Filhos  e Netinhos

Com grande Amor e tantos Carinhos

Desejados  com   Alma   e   Coração!..

 

Daniel Amaral

East Providence, R.I. Dezembro 2003


Os meus agradecimentos

Hoje encontro-me deveras satisfeito, em publicar este livro de Poesias, graças ao meu grande amigo e Compadre, Médico, Dr. Manuel Luciano da Silva, que tem sido o grande impulsionador e o motor de arranque desta publicação.

Esta grande Figura da nossa Comunidade, além de ser um Belíssimo Médico, e ainda um grande Historiador-Escritor. É Investigador e Presidente da nossa Bela Academia do Bacalhau da Nova Inglaterra. E ainda membro de vários organizações Médicas e também Moderador do Programa Televisivo "Tribuna Médica" no Canal  Português em New Bedford, Massachusetts.

Sinto-me bastante satisfeito, por encontrar uma figura tão conhecida da Nossa Comunidade que me tem dado um extraordinário apoio na publicação do meu primeiro livro de Poesias.

Pode parecer estranha esta Publicação porque geralmente os Autores de livros são pessoas  formadas em Literatura, nas Universidades. Não possuo esta Formação Literária. Simplesmente tenho a Instrução Primária. Quando eu me criei, éramos uma Família de dez Filhos. Meus pais não tinham posses para levar os filhos aos cursos superiores. No tempo quem  tinha a Instrução Primária já se achava satisfeito e nem todos os pais faziam isso, porque queriam os filhos a trabalhar na Lavoura.

Como fiz menção o meu grande amigo, Dr. Luciano, homem cheio de saber e grande Humildade, ao ler os meus poemas, logo me incentivou propondo-me a publicar as minhas Poesias. Eu Disse-lhe: "Quando eu morrer, alguém há-de tomar conta disto"!   Ele como Presidente da Academia do Bacalhau todos os meses lia  as minhas Poesias e não descansou enquanto não me levou ao seu Programa de Televisão "Tribuna Médica" para que declamasse algumas Poesias.. É fantástico haver homens desta qualidade para que as nossas tradições  não morram.

Ao Dr. Manuel Luciano da Silva cumpre-me agradecer todo o empenho posto na publicação deste livro. Bem haja, homens assim, que mais uma vez mostra as suas belas qualidades de querer zelar pela  Cultura e Tradições da nossa Terra. É de distinguir, porque trata-se dum verdadeiro Português, nascido no Continente que quer honrar as tradições Açorianas.


 

 

    Prefácio  pelo  Dr. Manuel Luciano da Silva

O Luís Vaz de Camões foi o maior emigrante de todos os tempos. Viveu na África e na Ásia 16 anos. Cantou em verso épico 433 anos da História de Portugal na sua obra imortal "Os Lusíadas ".

Daniel Amaral já é emigrante no Estado de Rhode Island, o Estado mais pequeno dos Estados Unidos da América, há mais de 46  anos. Por isso tem direito também a escrever os seus Lusíadas, descrevendo a sua vida de emigrante na América.

Em todos os seus poemas há uma descrição dos vários episódios da emigração à sua volta. Quer actividades comunitárias nos clubes, nas festas religiosas, ou patrióticas, todos os seus versos tem rima e têm  métrica.

Apresenta nesta obra poemas dedicados aos familiares e amigos, homenageando os vultos religiosos dedicados ao Santo Cristo e ao Divino Espírito Santo.

Escreve com fervor emocional sobre as Festas do Natal ou sobre as Festividades do Dia de Portugal

Nos seus poemas há sinceridade e em muitos verificamos humor e optimismo. Mas há também um brio de ser português e de querer elevar o nosso grupo étnico na América.

Mas aparte mais evidente, mais notável, são os poemas dedicados a grande saudade que tem  e continua a ter pela sua Terra Natal desde a sua mocidade, a sua família, a sua igrejinha  e também pela muita ênfase que coloca na beleza paisagística da Ilha de São Miguel, Açores. Daniel Amaral tem apresentado em todas as Ceias do Bacalhau da Academia do Bacalhau da Nova Inglaterra, poemas originais dedicados a Portugal e a América, assim como sobre datas celebres da Historia de Portugal e também sobre figuras notáveis portuguesas.

Daniel Amaral e um bom emigrante, um Português brioso, inteligente e cheio de entusiasmo, um Luso-Americano que honra as nossas duas Pátrias: Portugal e a América.

 Bem  haja, ao Compadre Daniel Amaral

Manuel Luciano da Silva

Presidente da Academia do Bacalhau da Nova Inglaterra


Mensagem do Padre José Fernandes de Medeiros Pároco a Igreja de Nossa Senhora Mãe de Deus Concelho da Povoação, São Miguel, Açores.

Meu  Caro  Daniel,

Quis a Providência, que após tantos anos, nos viéssemos encontrar a bordo do "Costa Clássica", em cruzeiro, no Mediterrâneo. Nos oito dias aqui vividos, tivemos oportunidade de abordar, nos momentos de lazer, as nossas "Reminiscências do Passado"!

Desde a nossa juventude até à idade adulta muito deambulamos pelas fases da nossa vida. Recordamos com saudade tudo quanta a vida nos proporcionou. Tive ensejo de constatar como soubeste administrar os talentos que o Senhor te outorgou. A tua obra poética foi para mim absoluta surpresa. Como soubeste e continuas a saber explorar, na linguagem das Musas, as múltiplas nuanças da existência. Ora de nostalgia e dor, ora de alegria e regozijo, de solidão e desespero, mas também convivência, intimidade, carinho, amizade e exaltação. Neste aspecto, como soubeste cantar o cantinho que te viu nascer. As tuas tradições, usos e costumes, numa palavra, a sua idiossincrasia. A tua Povoação e suas Lombas, o teu Concelho e suas Freguesias, a tua Igreja, enfim...

Que o Senhor continue a dispor de ti como instrumento do seu querer para que sempre e em todas as circunstâncias e vicissitudes, saibas transmitir em linguagem sonante e eloquente as maravilhas da Natureza.

Com grande abraço de felicitações e amizade com votos de progresso ilimitado.

0 Amigo,

              Padre José Fernandes de Medeiros